Solar

Solar

domingo, 29 de outubro de 2017

Sindicato dos Comerciários santiaguense promove grande evento em comemoração ao dia do comerciário


Nesta segunda-feira 30, comemora-se o dia do Comerciário, por este motivo o Sindicato dos Comerciários santiaguense, promoveu neste domingo 29, um grande almoço com sorteio de brindes, entre eles televisores, máquinas de lavar, torradeiras e demais brindes aos seus associados e convidados na Sede Campestre do sindicato, localizada na Rua Arnaldo Bertoldo, bairro Vista Alegre.

Sem sombra de dúvidas um belíssimo evento, integrantes do comércio de nossa comunidade compareceram em grande número, quero também destacar a organização e a qualidade do almoço servido aos associados e convidados, outro fato que me chamou atenção foi a estrutura da Sede Campestre, com piscinas, campo de futebol, cancha de bocha, churrasqueiras e cozinhas muito bem estruturadas para grandes eventos.

Parabéns ao Carlos Alberto Ataides Floriano (presidente) e a toda a sua diretoria e funcionários, pelo belíssimo trabalho que esta sendo desenvolvido no sindicato dos comerciários santiaguense, que representa a uma das moires forças de trabalho de nossa cidade, sem falar que a sede é mais um lugar a se visitar nos finais de semana, um lugar para curtir junto a família.

Parabéns aos comerciários pelo seu dia!

CONFIRA ALGUMAS FOTOS DO EVENTO E DA SEDE CAMPESTRE










sábado, 21 de outubro de 2017

Demasiadamente deselegante

Caros amigos e leitores, em todos estes anos a frente de meu blog, procurei sempre o caminho da verdade e da transparência, não sou um mentiroso e nem tão menos aproveitador da desgraça alheia, procuro manter a linha do bom senso, sou humano e passivo a erros, sempre procurei uma linguagem  de bom nível em assuntos no qual debato neste espaço, em especial assuntos regionais, onde acredito que politicas locais são as bases para aqueles que ajudamos a colocar na câmara e no senado, sem contar  que grupos de municípios lutando por seus interesses juntos, com certeza as coisas vão acontecer, a verdadeira força na política esta nas políticas regionais...

Na verdade meu desabafo de hoje, se refere a um encontro casual na tarde deste sábado em um estabelecimento comercial de nossa cidade com um agente público eleito pelo voto do povo, onde perguntei a ele sobre um assunto na qual se insere na bandeira de sua campanha nas ultimas eleições. O mesmo perdeu sua postura como agente e cidadão, se ainda não fosse o suficiente senti um tom intimidador  e ainda me fez a seguinte colocação, por que eu não me candidatava ao cargo já que eu estava lhe cobrando algo.

Primeiramente, eu não quero me candidatar  a cargo algum até este momento, e procuraria  não ter o mesmo comportamento, no futuro quem sabe possa até me candidatar, demais que o agente em questão eleito não sou eu, não prometi nada em campanha e já se passaram quase um ano e no prometido em campanha por este agente até o momento ainda não decolou.

Quero deixar claro que o senhor não me intimidou com sua atitude, sempre o respeitei, não nasci de medo e nem sou valentão, apenas lhe fiz uma pergunta, se não esta preparado para tal, peça para sair, afinal o povo o elegeu, já que o senhor é empregado do povo, porque o povo paga seu salário, por que nós povo queremos pessoas preparadas e com atitudes voltadas para a comunidade.

Se o senhor teve a intenção de me intimidar, me colocar medo, não conseguiu, lamentável esta situação, sempre o tratei com respeito e  meus debates tanto no campo das críticas como nos de elogios e não vai ser o senhor quem vai fazer com que eu pare, repense no que o senhor prometeu ao povo e esteja preparado para as criticas, por que na iniciativa privada se o empregado não produzir e não der lucro para a empresa é demitido, estes procedimentos em nosso país deveriam servir e também empregado para agentes públicos empregados do povo.


Quanto ao nome desse agente por hora não vou revelar, dou por encerrado este assunto por enquanto, até mesmo que o ocorrido foi diante de testemunhas, foi mais um desabafo e deixar claro que não fui intimidado. Mais uma vez lamentável o ocorrido, mas dai vir a me intimidar....

segunda-feira, 16 de outubro de 2017

REGIÃO – 5º R P MON DESENVOLVEU OPERAÇÃO “AVANTE - COMBATE AO ABIGEATO”

Do dia 26/09 a 10/10, o 5º R P Mon desenvolveu a operação “Avante Combate ao Abigeato, Contrabando e Descaminho”, na região. As ações policiais tinham por objetivo prevenir e reprimir aos delitos de abigeato, contrabando e descaminho na área de ação do 5º Regimento. Foram priorizadas as áreas de maior incidência delituosa.
A operação foi comandada pelo Major Eldo Amaral Franco, Subcomandante do 5º R P Mon. As equipes percorreram mais de 5.000km de estradas, nos municípios de São Vicente do Sul, Cacequi, São Francisco de Assis, Mata e Santiago.


Foragidos Recapturados
01
Prisões em Flagrante
01
Apreensão de Maconha (Gr)
95 g
Apreensão de Crack (Gr)
08 g
Quantidade de Pessoas Abordadas
218
Quantidade de Barreiras Policiais Realizadas
31
Quantidade de Veículos Fiscalizados
109
Quantidade de Veículos Autuados por Infração de Trânsito
5
Quantidade de Veículos Recolhidos
3
Quantidade de Termos Circustanciados Registrados (TC)
3
Quantidade de propriedades rurais visitadas
29
Fonte: Assessoria de imprensa 5º RPMON

quinta-feira, 12 de outubro de 2017

Ocorrências de Santiago e região atendidas pela Brigada Militar



ROUBOS

Dois casos foram registrados. Um deles ás 19h55min de ontem, na Rua Venâncio Aires, bairro Gaspar Dutra. O proprietário de um minimercado comunicou que um homem levou cerca de r$ 300,00 reais em dinheiro e um celular. Segundo ele, o indivíduo entrou no estabelecimento armado com um revólver e anunciou o assalto. O sistema de vídeo monitoramento flagrou a ação. Os policias realizaram buscas, porém nenhum suspeito foi encontrado.

ACIDENTES DE TRÂNSITO

Dois acidentes foram registrados. Um deles às 13h15min de ontem, na Av. Aparício Mariense, Vila Rica. Um abalroamento envolvendo dois automóveis. O condutor de um dos veículos relatou que, em razão de uma falha mecânica, não conseguiu frear e evitar o impacto. Houve apenas danos materiais. O muro de uma residência restou danificado, atingido pelo automóvel abalroado.

EM ITACURUBI – MULHER É VÍTIMA DE LESÃO CORPORAL

As 13h20min de ontem (10/10 – terça), uma guarnição compareceu no pronto socorro municipal onde deu entrada uma senhora com lesões no rosto e na cabeça. Aos policiais, ela relatou que andava por uma rua, na cidade de Itacurubi, quando foi agredida por outra mulher. Segundo ela, a agressora utilizou um pedaço de madeira e atingiu sua cabeça. Após atendimento médico a vítima foi liberada.

 Fonte: Assessoria de imprensa 5º RPMON

terça-feira, 10 de outubro de 2017

POR VANDER SANTOS: A REFORMA TRABALHISTA APROVADA E SANCIONADA

A reforma da legislação trabalhista restou aprovada pelo Congresso Nacional e sancionada pela Presidência da República e publicada no Diário Oficial da União em 14.07.2017, a entrar em plena vigência 120 dias contados da referida data de publicação.

Com as devidas vênias, chamei a atenção em colunas anteriores sobre as reformas incitadas pelo Governo como remédios indispensáveis aos problemas de nossa nação, para que volte a economia a regularizar e crescer, bem como levando a sociedade acreditar ser o remédio para todos os males e problemas sociais evidenciados. Logico que não é de longe a solução de todos os problemas, tanto a reforma trabalhista, quanto a também visada reforma previdenciária.

A reforma trabalhista, Lei n°: 13.467 de 13 de julho de 2017 vieram trazendo consigo várias mudanças importantes, que em uma coluna apenas seria impossível falar sobre todas, eis que sem sombras de dúvidas como toda inovação trouxe avanços e problemas vistos por muitos juristas como retrocesso.

De modo geral podemos aferir a existência de mudanças boas e necessárias ao direito do trabalho em um todo, porém elas não são maiorias.

O que houve de fato foi à flexibilização de muitos direitos trabalhistas, permitindo, por exemplo, que haja a demissão de comum acordo sendo possível a avença entre as partes, ou seja, acordo entre empregado e empregador sobre os valores concernentes a alguns direitos até então imutáveis em questão pecuniária, como o valor indenizado do FGTS e o aviso prévio indenizado que poderão ser reduzidos pela metade, bem como não terá direito ao Seguro Desemprego mesmo que atendidos os requisitos de enquadramento previstos em lei especial. Mas óbvio que não são todos os direitos passiveis de negociação, o que será trazido em colunas futuras.

O que se observou também é a tentativa escancarada, no entendimento deste colunista e operador jurídico, de frenar alguns entendimentos dos Tribunais Superiores do Trabalho e dos Tribunais Regionais do Trabalho que chancelam alguns vários direitos não assentados em lei, quando no artigo 8°, § 2º, menciona que enunciados e Sumulas dos Tribunais Superiores do Trabalho, bem como Tribunais Regionais não poderão restringir ou criar direitos e obrigações que não estejam previstos em Lei. Isso sem dúvida visa atacar o Poder Judiciário Trabalhista que possui um importante papel social ao resolver causas por meio de entendimentos e sumulas sedimentadas sobre alguns direitos não chancelados completamente em lei, ao passo que o direito laboral baseia-se também e muito em sumulas, entendimentos e enunciados dos Tribunais Superiores.

De outra banda, outro ponto negativo de flexibilização foi concernentes as demissões coletivas ou plúrimas que não mais necessitarão de autorização prévia do Sindicato ou de celebração de acordo ou convenção coletiva para sua efetivação.

Salienta-se que o maior prejudicado nisso tudo é o trabalhador que é a parte mais vulnerável e hipossuficiente na relação empregatícia, ainda mais diante de grandes empresas e multinacionais de poder econômico astronômico, sendo evidente a desvantagem do trabalhador.

Ademais, e de se salutar que hodiernamente o acordo ou convenção não prevalece sobre a legislação, bem como há ponderação e aplica-se o que for mais benéfico ao trabalhador e com a reforma a convenção e acordo coletivo de trabalho prevalecerão sobre a lei em inúmeros casos e direitos elencados no artigo 611-A, sendo que também os previstos em acordo coletivo prevalecerão ao disposto em convenção, independentemente de ser benéfico ou maléfico ao trabalhador.

De outra senda, a contribuição sindical não é mais obrigatória, sendo necessária a autorização para o devido desconto dos valores da folha de pagamento, sendo claro a intenção de enfraquecer ainda mais as entidades sindicais que em tese devem defender os direitos dos trabalhadores.

Claramente há esquecimento de quem deve ser protegido na relação empregatícia que é o trabalhador, pois a flexibilização dos direitos trabalhistas atinge em cheio principalmente o trabalhador que é quem mais sofre, sendo que a legislação trabalhista é um sistema protecionista ao trabalhador que é parte vulnerável e hipossuficiente na relação empregatícia.

Isso é facilmente observado o risco de prejuízo e a desvantagem do trabalhador diante de um sistema capitalista e consumerista que vivemos hodiernamente, em que o poder econômico é massacrante.

O fato é que a reforma trabalhista era sim necessária, mas há um notável engano em acreditar que irá solucionar os problemas evidenciados na sociedade, assim como a reforma previdenciária pretendida também pelo atual governo.

Na verdade sejamos claros que tudo isso é uma evasiva tentativa de ludibriar o povo para acreditar que criar leis, como foram, resolverão “em um toque de mágica” os problemas da sociedade, quando em verdade é necessário uma reforma política profunda, não a pretendida e defendida pelo Congresso, o chamado “faz de conta”, mas séria e responsável, bem como em um segundo momento uma reforma tributária profunda, isso sim é necessário, mas infelizmente falta coragem aos nossos representantes, cujos vos lembro eleitos por nós.

A sociedade deve estar atenta às mudanças, pois estamos em um sistema capitalista e com um Congresso e Poder Executivo que tudo indica corrompido que tende a atender os interesses de uma minoria que detém grande poder econômico.

Sejamos alerta, reflitam sobre as mudanças pretendidas e que estão a caminho e se necessário deveremos ir as ruas exercer o direito de livre expressão e manifestação, pois o governo é do povo para o povo.


Pois reflitam o que diz o nosso próprio hino do Rio Grande do Sul, quando aduz que “não basta para ser livre ser forte, aguerrido e bravo, povo que não tem virtude acaba por ser escravo”, logo pensem Senhores notórios cidadãos de bem e trabalhadores e estejam atentos as mudanças eminentes e exerçam seus direitos de expressão, lutem por seus direitos.        

domingo, 8 de outubro de 2017

Rio Grande do Sul começa cobrar inadimplentes com Fundoleite

                                                    Foto: Luiz Chaves / Palácio Piratini / CP

O Rio Grande do Sul começou a cobrar as empresas que estão inadimplentes com o Fundo de Desenvolvimento da Cadeia Produtiva do Leite (Fundoleite/RS). A informação, repassada pela Secretaria da Fazenda, foi divulgada nessa quinta-feira pelo secretário da Agricultura, Ernani Polo, que também é presidente do fundo. Ele revelou que 130 empresas foram notificadas e 30 já responderam à intimação. As outras 100 estão com prazos em andamento.

Segundo Polo, as empresas que não atenderem à notificação terão seus débitos incluídos na dívida ativa e posteriormente no Cadastro Informativo de Créditos não Quitados do Setor Público (Cadin). “Nós solicitamos, ainda em 2016, providências da Fazenda para a cobrança dos valores”, destacou o secretário.

O Fundoleite foi criado em 2013 e devia receber R$ 0,00085 por litro de leite beneficiado pela indústria. Seus recursos seriam destinados para o financiamento das atividades do Instituto Gaúcho do Leite (IGL), mas a contribuição foi questionada e o próprio setor votou pela extinção.

Os créditos vencidos que forem recuperados serão depositados na conta do fundo, mas a destinação dos recursos ainda é uma incógnita. “Não sabemos qual vai ser a destinação dos recursos que estão acumulados, estamos aguardando as sugestões do setor para fazer o repasse”, concluiu Polo.
Fonte:Correio do Povo